O nome, em latim, "stella matutina" designa a "Estrela da Manhã", o mesmo que "Estrela da Tarde". Para mim nomeia um refúgio, um espaço de partilha de ideias, sonhos, pensamentos e reflexões com outras almas que usam a comunicação como sinal para marcar a diferença -contra a indiferença. Um cantinho especialmente dedicado à comunidade lusófona e ibero-americana :-)

A MEU PAI / TRIBUTE TO MY FATHER

I have recently lost my father. This song (Bono: sometimes you can't make it on your own*) touches me in a very particular way. Canção-Homenagem de Bono a seu pai* Gravação ao vivo no concerto de São Paulo em 2006 (Vertigo Tour)- O Português de Bono deixa algo a desejar mas esforça-se :-) "...A house still doesn't make a home...don't live me here alone..."

Bom Dia! Buenos Dias! Bonjour! Good Morning!

orkut glitter graphics

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor

Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza

Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram

Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto se amarem, vivendo morreram

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!

José Carlos Ary dos Santos

cantada por Carlos do Carmo

Um poema vivo da nossa História

Um poema vivo da nossa História
SEMPRE!

Cristina Branco canta José Afonso (Canto Moço)

...que há-de ser de nós?

...que há-de ser de nós?
Nobre Povo, Nação valente e imortal...

Momentos Marcantes

...tive um coraçao perdi-o (Cristina Branco)

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Bom fim de semana :-)

Um bom fim de semana aos poucos mas bons que por aqui passam ;-) e se quiserem/puderem atentem neste vídeo (link em baixo), divulgado no blogue da AMBIO: http://www.youtube.com/watch?v=5g8cmWZOX8Q parece tão simples não é? São crianças e pessoas assim que me fazem ainda ter fé no melhor do mundo. Beijinhos!

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Novelas e internet- o que mudaram na nossa vida? :-)

bem..e como não posso esticar-me muito (quando o faço pago caro a seguir) não resisto ao menos a deixar um cheirinho do que vou escutando. A antologia da Gal Costa, que o ano passado adquiri, inclui o tema de abertura da novela "Gabriela Cravo e Canela" de Jorge Amado. Quando o ouço, é como se fosse projectada para a altura em que não se perdia cá em casa um episódio da novela. Esta semana fez 30 anos que estreou entre nós. Lembro-me bem de quando começou. Era miuda e não entendia uma palavra de "brasilês" :-) - aliás nem os graúdos entendiam! Agora...vejam só como "adoptámos" tantas palavras e expressões do português do Brasil! O país parava na hora da novela, e parece que até o parlamento suspendeu as sessões mais cedo para que os deputados assistissem ao último episódio. Essa era, foi, uma das melhores que passou, ainda a preto e branco. Cá em casa tivemos um gato preto, extremamente inteligente, o Tuísca, cujo nome nome foi "roubado" a um personagem da novela. O meu mano Tó Mané (que dormia com o gato às escondidas da minha mãe- e nunca apanhou doença nenhuma de gatos!) e eu chorámos baba e ranho quando o bichano "bateu a bota". Ainda me lembro das mais carismáticas personagens da novela e do simbolismo que lhes estava associado- sobretudo porque também aqui se despertava, num pós 25 de Abril, para uma maior conscencialização política dos direitos dos cidadãos, da importância da liberdade de expressão e dos direitos das mulheres, em particular. Lembram-se do Tonico Bastos e do seu bigodinho? ;-)? Do professor Josué e da Glórinha, da Zarolhinha (!); da Maria Machadão, do Prof. Ezequiel, do Dr Mundinho, do Coronel Ramiro Bastos (o tirano-mor, coronel todo-poderoso), a Malvina e a J/Gerusa, aqueles implacáveis coronéis e suas infelizes e submissas amantes, e as senhoras, também submissas, mas respeitáveis esposas e beatas? E "seu Nacib, moço bonito" e a sensualidade de Gabriela claro, como não :-)? Perguntem-me nomes de figuras das novelas posteriores e já se me varreram, excepção feita a "O Bem Amado"; "Roque Santeiro", "O Casarão" ou "A escrava Isaura"- estarei a ficar com a memória-tipo dos velhinhos ou será que o que permaneceu ficou "gravado" pela sua qualidade? Hoje foi o dia das telecomunicações e da internet. A pergunta lançada pela RDP antena 1 esta manhá era "como é que a internet mudou a sua vida? Eu responderia, quase tudo, desde o trabalho ao lazer, e até no domínio pessoal pode alterar relações ou a forma como comunicamos com os nossos amigos. No limite tenho colegas (bióloga e bioquímica) que conheceram os respectivos maridos na net por partilharem interesses comuns que os levavam a visitar os mesmos sites temáticos :). Giro não? Aí fica para os cotinhas, como eu:
Gabriela - Abertura – 1975 A voz doce de Gal e as aguarelas de Aldemar Martins

terça-feira, 15 de maio de 2007

A todos os pais, nossos heróis na luta da vida

"Sometimes You Can't Make It on Your Own" foi o segundo single do album dos U2 lançado no Reino Unido em Fevereiro de 2005. A canção ganhou os Grammy Awards de 2006 nas categorias de Best Rock Performance by a Duo or Group with Vocal e Song of the Year. Foi escrita pelo vocalista, Bono, dos U2 em homenagem a seu pai, Bob Hewson, falecido em 2001. O vídeo da canção (que podem ver e ouvir ali ao lado) começa com uma nota de Bono sobre seu pai, em que refere "I wish I knew him better.", ou seja "Quem me dera tê-lo conhecido melhor". Para mim vale também por lembrar a eles e a nós próprios, que às vezes, sobretudo numa fase mais adiantada da vida, eles não conseguem avançar sozinhos...precisam de nós! E nós podemos ser o seu reflexo até nas desavenças, tamanhas são por vezes as semelhanças de carácter...! Meu pai continua VIVO felizmente, mas é uma pálida sombra do homem inspirado e pleno de vitalidade e alegria que sempre lhe conheci, a par de uma popularidade que lhe grangeou muitos amigos pela vida fora. O que penso agora é: quem me dera ter-lhe dado muitas mais alegrias...espero dar ainda algumas! Esta manhã, num hospital, e prestes a ser intervencionado à coluna, foi sujeito a uma situação surrealista que me obriga a confrontar simultaneamente a sua fragilidade actual e o mau funcionamento da "máquina operativa" do SNS. Já depois de ter feito exames e porque ELE- meu pai, lembrou a medicação que toma, "lembraram-se" de repente (!) também de que ele deveria ter sido previamente avaliado pela anestesia e cardiologia, além de suspender a medicação uma semana antes. Foi-se assim uma hipótese de cirurgia, volta-se à lista de espera e voltámos todos para casa, depois de um jejum forçado de meu pai desde a véspera. Sem mais comentários. Mimem e protejam os vossos idosos, vossos guias e heróis nos primeiros passos, e mantenham o olho bem aberto! Isto não há que fiar... Claro que estou aflita dos pulsos (já se estende aos cotovelos) mas esta também estava "atravessada"...

domingo, 13 de maio de 2007

Momentos para a posteridade :-)

Dia do cortejo dos quartanistas da Queima das Fitas, 8 de Maio de 2007: Eis a pimpolha com a titi babada :-) e com a manita que, não tarda, a alcança ;-)
Bom domingo e boa semana!
P.S. Obrigada ao Tó Zé (vou tentar encontrar o Louis:-), Jorge (obg pelas dicas) e Aspásia pelos comentários, mas a quarentena de mãos é imperativa, p.isso o meu feedback escrito é limitado...:-(

quinta-feira, 10 de maio de 2007

O fim do luto académico

Em jeito de conclusão e citando ainda o texto da pág. oficial da AAC: "Com a revolução de Abril de 1974, os conflitos pareciam ter perdido razão de existir com o término do regime vigente desde Maio de 1926. No entanto, posições radicais deram origem a confusões, ficando gerações sucessivas de estudantes privados de expandirem os seus anseios, especialmente consubstanciados na sua festa académica que tudo parecia indicar que não se voltaria a realizar.Mas tal não se verificou e, após um interregno de onze anos, a “QUEIMA DAS FITAS - festa de secular tradição", voltou a realizar-se em 1980, um ano depois da realização da Semana Académica, iniciativa da direcção-geral da A.A.C., que funcionou como uma sondagem à academia e à população da cidade. A franca adesão e o entusiasmo verificado vieram a comprovar que todos ansiavam pelo retomo da Queima das Fitas, pois esta manifestação de alegria estudantil faz parte integrante das tradições de uma academia que foi ímpar e tenciona continuar a sê-lo. E, fazendo as tradições parte do património cultural das regiões onde se enraízam, toma-se prioritário fazê-las reviver em cada ano e proporcionar a oportunidade aos estudantes e população de confraternizarem salutarmente.” (de Sofia P.N.Rosário in Queima das Fitas/Centenário A.A.C.). A Queima das Fitas é a explosão delirante da Academia, consistindo para os Quartanistas, Fitados e Veteranos, na solenização da ultima jornada universitária, ou seja, o derradeiro trajecto de vivência coimbrã. Actualmente na Queima há a emancipação dos caloiros, e o término da Praxe nesse ano lectivo; para os quintanistas representa o último acontecimento do seu percurso estudantil, o fim da caminhada irreverente de estudante."
Outra pérola que fará sempre (a meu ver) a ponte entre o melhor do passado e do futuro! Traz outro amigo- José Afonso numa interpretação mais recente.
A Queima está a chegar ao fim. Já não me meto em confusões, mas desta vez mimei as minhas futuras doutorinhas (elas merecem). Arejei as fitas, enterneci-me com os miudos que foram meus alunos há 5 anos na ESAC: e o carro mais bonito era o da Escola Superior Agrária, nem duvidem :-). Já não reconheço muitas cores que aparecem em fitas que não da UC. As minhas estão tão descoradas que o ano passado me perguntaram a que Faculdade tinha pertencido! De azul claro passaram a cinza...e tão sujinhas... Aguardo fotos (da pimpolha sobrinhae não só) para aqui prantar um dia destes :-)
e agora um breve interregno forçado...BOM FIM DE SEMANA AOS POUCOS QUE ME VÁO LER :-)

Coimbra, 17 de Abril de 1969

Consegui poucas fotos, uma pequena amostra das lutas de 1969:
Foto1: dentro da sala que ficou conhecida como 17 de Abril, podem-se ver-se o então Presidente da República, Almirante Américo Thomáz e José Hermano Saraiva, Ministro da Educação.
Foto2: Alguns dos cartazes empunhados pelos estudantes/manifestantes.
Foto3: Dentro e fora da sala estavam à pinha.
Foto 4: A polícia marcha no Largo D. Diniz.
Foto5: À porta das Matemáticas era o que se via...
Na mesma altura, 1969, noutro registo, Amália cantava "Coimbra":
Uma versão moderna:

quarta-feira, 9 de maio de 2007

A original

Bem...juízo não é o meu forte...vê-se...mas não resisto a partilhar estes pequenos tesouros que vou descobrindo no YouTube. A voz de Adriano, nas imagens rodeado de amigos célebres e especiais... caramba, Coimbra juntou gente tão GRANDE, tão TALENTOSA e tão BONITA... invejo os que, por geração, os puderam ouvir e ver juntos em vida. Uns privilegiados! Pelo meio uma mensagem não menos importante...

Trova do vento que passa...

...outra nova interpretação de uma belíssima trova de Coimbra, popularizada por Adriano Correia de Oliveira, num tempo em que os estudantes universitários de Coimbra e a AAC se destacaram na luta anti-regime, em prol da democracia.
Passo a citar o texto incluido no site oficial da AAC:

"Entre 1965 e 1968 a Associação Académica de Coimbra foi liderada por uma Comissão Administrativa nomeada pelo Governo. Durante essa fase os estudantes foram impedidos de participar no Senado e Assembleia da Universidade de Coimbra. Após um abaixo-assinado, subscrito por 2500 estudantes pedindo eleições livres na AAC, realizaram-se novamente eleições para a Académica em Fevereiro de 1969. Deste acto eleitoral saiu vencedora a lista do Conselho das Repúblicas, com 75% dos votos. Um mês mais tarde a DG/AAC é convidada para a cerimónia de inauguração do edifício das Matemáticas, não só aceitando o convite, como manifestando a intenção de interferir na referida cerimónia. Essa pretensão, comunicada ao Reitor de então, foi liminarmente recusada já que “O Reitor, que iria discursar, já representava a Universidade” e a intenção dos estudantes falarem prejudicaria as “prescrições protocolares”. Na manhã de 17 de Abril de 1969, em frente ao Edifício das Matemáticas, milhares de estudantes mostravam palavras de ordem “Ensino para todos”, “Estudantes no Governo da Universidade”, “Exigimos diálogo”. No interior do Edifício, Alberto Martins, Presidente da DG/AAC pede a palavra ao Presidente da República, Américo Tomás “Sua Ex.ª, Senhor Presidente da República, dá-me licença que use da palavra nesta cerimónia em nome dos estudantes da Universidade de Coimbra?” A palavra foi-lhe negada e a cerimónia terminada abruptamente. Nessa mesma noite, Alberto Martins é detido à porta da Associação Académica de Coimbra. Centenas de estudantes são nessa noite alvo de uma carga policial à frente da PIDE, para onde se haviam mobilizado em solidariedade para com Alberto Martins.Vários episódios de luta, unidade e solidariedade se seguiram por parte dos estudantes da Universidade de Coimbra. O Governo respondia com mais censura, opressão e perseguição aos desalinhados do regime. Neste dia, se calhar como nunca no passado, a Academia de Coimbra soube dizer não perante um regime e uma sociedade injustas e desiguais. Talvez aqui, tenha sido o início do fim do regime.Em resposta a todo este clima, a Academia reúne em Assembleia Magna, no ginásio da AAC com a presença de milhares de estudantes e dos professores Orlando de Carvalho e Paulo Quintela. Assim, é decretado o luto académico sob a forma de greve às aulas, transformadas em debate sobre os problemas dos departamentos e das Faculdades da Universidade de Coimbra, bem como do País. No dia 30 de Abril, numa comunicação televisiva, o Ministro da Educação Nacional, José Hermano Saraiva, acusava os estudantes de desrespeito, insultos ao Chefe de Estado e do crime de sediação. Conclui, a dizer “que a ordem será restabelecida em Coimbra”.Neste contexto, cerca de 4000 estudantes marcaram presença na Assembleia Magna que se realizou no Pátio dos Gerais, no dia 1 de Maio, repudiando juntamente com o corpo docente, as afirmações do Ministro da Educação Nacional e reafirmando a convicção na construção de uma Universidade nova.De seguida, por despacho de José Hermano Saraiva, verificava-se o encerramento antecipado da UC até ao início dos exames. Deste modo, a Assembleia de Estudantes Grelados deliberava cancelar a Queima das Fitas num acto de solidariedade para com a Academia e dirigentes associativos suspensos. “Jamais aceitaremos que a alegria se confunda com a irresponsabilidade...”, dizia o comunicado.No dia 28 de Maio, na maior Assembleia Magna da história da Academia com a presença de cerca de 6 mil estudantes, é decretada a abstenção aos exames. Foi ainda deliberada a “Operação Flor” e a “Operação Balão”, em que flores e balões eram distribuídos como forma de protesto enquanto não se procedesse ao levantamento das suspensões e dos processos de inquérito, exigindo-se ainda que não fossem marcadas faltas durante o luto académico. No início da época de exames, dia 2 de Junho, Coimbra acorda sitiada. Destacamentos da GNR, PSP e da Polícia de choque ocupam a Universidade. No final da Taça de Portugal entre a Académica e o Benfica, no dia 22 de Junho, o jogo transformou-se em manifestação contra o regime e cerca de 35 mil comunicados foram distribuídos à sociedade civil, nos quais estavam expostas as razões da luta estudantil. Excepcionalmente, o jogo não foi transmitido pela RTP e pautou-se pela ausência do Presidente da República. No mês de Julho, o Governo alterava a lei de adiamento da incorporação militar de modo a fazer depender da prorrogativa “o bom comportamento escolar” do estudante. Ao abrir da nova legislação, meia centena de estudantes eram chamados ao serviço militar.A crise académica de Coimbra tinha conduzido a uma remodelação política no sector educacional do governo. O Ministro da Educação Nacional é demitido e substituído por Veiga Simão. Na Universidade de Coimbra, Gouveia Monteiro é o escolhido do novo ministro para o cargo de Reitor, numa tentativa de pacificação da situação académica. Deste modo, abria-se o caminho às reformas e democratização das estruturas universitárias que, cinco anos mais tarde, o 25 de Abril de 1974 viria consagrar."

P.S. Eu e possivelmente todos os alunos da FCTUC até ao início do funcionamento do Polo II, tivemos aulas na sala "17 de Abril" do Dep. de Matemática da FCTUC, assim denominada em homenagem às lutas estudantis de 69

segunda-feira, 7 de maio de 2007

VERDES ANOS...

Hoje comprei uma pastinha (azul clara claro;-) à saída dos HUC, a uma menina que está a acabar Matemática...ela e a pequena, da Casa de Infância Dr Elísio de Moura, queixaram-se que a venda estava fraca e não tinham autorização de permanecer em certos espaços (entrar no recinto dos HUC po r ex- o porquê é que me transcende. Não estamos a falar de excessos mas de uma causa mais que meritória. Enfim, lembrei-me dos meus verdes anos, fragilizados já, mas VERDES também. Pesquei uma versão, mais recente, a lembrar um génio de talento e arte, que segundo Luís Góis, "não era deste mundo". Carlos Paredes, imortal pelo seu legado, para sempre ligado a Coimbra e à sua canção.

domingo, 6 de maio de 2007

Andando à deriva encontrei uma pérola...e tento enfrentar os meus monstros...

Na sequência das festas académicas e dos sonhos passados que vêm à lembrança, deparo com uma daquelas ilhas de sempre. São pessoas e momentos como o que podemos testemunhar no vídeo, em baixo, que me fazem ainda ter orgulho em ter estudado nesta Universidade, apesar das muitas decepções sofridas e das partidas pregadas pela vida. Há talvez um ano que ando a fugir da "selva" do mundo e ao mesmo tempo tenho vindo a resistir...e a "gritar" aos sete ventos que as pessoas "diferentes" têm muito pra dar se o sistema as souber valorizar e "aproveitar". No fundo, se nos derem uma chance, e, eventualmente timings diferentes. Teimosamente muitas vezes parece que remamos contra a maré, com a agravante de termos muito menos "força braçal" e pernas mais "curtas" para andar (!). Em contrapartida, temos sim dores (no corpo e na alma!) adicionais, de que nem nos queixamos porque nós mesmos as queremos esquecer, dentro do humanamente possível. Enfim entraves que outros "remadores" não sentem. Muitas vezes também, corremos o risco de estagnar quando não antevemos perspectivas de desembarque numa promessa de porto. Quando não vislumbramos sequer uma nesga de terra no horizonte...quando se perdem objectivos. Tantos sonhos para trás... perdidos algures... Aonde irei parar nesta deriva...? Como garantir uma subsistência digna, tendo consciência da dura realidade, e de que nada cai do céu, muito menos aos que não têm padrinho (nem o de baptismo cheguei a conhecer...). Só posso competir comigo mesma e contar comigo. E com os meus "anjos" para me ouvirem, quiçá me guiarem. Os debilitados progenitores, meu único porto seguro não são eternos. E quando não existe uma rede de apoio material (!) tudo se torna mais difícil de enfrentar. E ainda se tem de lidar com a ignorância institucionalizada, sensibilizar profissionais de saúde para APRENDER ou seja, para largarem as palas e actualizarem conhecimentos, negociar a dívida com a segurança social, provar que não se é inválido, mas ao mesmo também que não se pode fazer tudo o que os outros fazem...ou COMO eles fazem... Sabe bem quando se conquista, por exemplo, e após longa espera e n documentos, o direito a um lugar para estacionar. Mas pasmem-se, depois ainda estamos sujeitos a que apareçam cretinos a chatear: neste caso uma docente da universidade, mais propriamente da Faculdade de Direito, que questiona o porquê de uma "simples" aluna (com deficiência motora) ter cartão para acesso ao parque e ela não ter....
O resultado é TODOS os alunos, incluindo os de pós-graduação, com deficiência motora ou funcional serem levados a provar, uma vez mais, por atestado médico, que de facto MERECEM E PRECISAM de ter esse "privilegiado" lugar para estacionar. Esta gente mesquinha e egoísta que só complica dá-me náuseas.
Chega-se ao ridículo de, por estas e outras, se pedir a um médico de família que explicite no papel em que consiste a SFM porque a reitoria não sabe decifrar que uma síndrome generalizada de dor crónica músculo-esquelética afecta TODO O SISTEMA LOCOMOTOR, ou seja, membros inferiores e superiores (!) e por conseguinte implica que as pessoas muitas vezes não aguentam andar carregadas com tralha (dossiês, computador portátil, livros, fotocópias, etc) nos autocarros e ainda caminhar a pé um bom bocado. Como se não bastasse a inexistência de elevadores nalguns edifícios!
Não queria proteccionismo fácil. Mas até que ponto se pode exigir aos cidadãos fragilizados que lutem pelo direito à SUA própria qualidade de vida? A infeliz intervenção daquela senhora docente veio roubar-nos tempo e consumir energia que podia ter sido gasta a trabalhar para nós mesmos! Caramba, não deveria ser o sistema a salvaguardar os nossos legítimos direitos básicos? Certamente não serão os que estão confortáveis a bulir por nós (aliás, está visto que podem é complicar!) mas há limites de razoabilidade, penso eu. Talvez o permanente desafio da nossa vida seja simplesmente encontrar (ou re-encontrar) o nosso lugar no mundo, e assegurar o indispensável à sobrevivência pura e dura. O resto, se houver amor para dar ao nosso semelhante, virá por acréscimo. Conforta-me ao menos podermos escolher as pessoas do nosso círculo íntimo de amizades, sem ter de fazer fretes ou dar grandes explicações! E pronto, já dei cabo do repouso manual do dia, mas esta andava-me "atravessada". Que se lixe, não consigo ficar "quieta". Também sou uma resistente, à minha maneira. Como a maioria dos meus amigos não gostam da blogosfera, pelo menos não terei de ouvir "sermões" a dizer que não escreva, que me concentre na tese, que seja inteligentemente egoísta, que não desperdice energias, que..." De resto espero, mesmo com menor capacidade funcional que os indivíduos sãos da minha idade, saber caminhar sempre na vertical e olhar toda a gente olhos nos olhos e de queixo erguido. O bipedismo, como lembrava o meu amigo Tó Zé, foi uma das conquistas determinantes da evolução da nossa espécie, mas muitos esqueceram-se disso.
boa semana aos (poucos mas bons:-) amigos (alguns novos:-) que me vão lendo.
ZECA AFONSO AO VIVO NO COLISEU, ABRINDO COM COIMBRA E O PÚBLICO APLAUDINDO DE PÉ. LINDO.

sábado, 5 de maio de 2007

QUEIMA DAS FITAS 2007

No link http://2007.queimadasfitas.org/ encontram tudo, incluindo o historial de uma das maiores, senão a maior, festa académica da Europa. Não esquecer que a AAC é talvez a maior e mais antiga associação de estudantes da Europa, com tradição de intervenção política ainda no antigo regime, e que esta festa faz parte da história e tradição de Coimbra, da sua Universidade e do país. Muitas foram as academias de estudantes que, de alguma forma, foram reproduzindo a ideia pelo país afora, mas a raíz está aqui :-) Só a temática do Fado de Coimbra daria n dissertações... Os excessos (bebedeiras et al.) sempre os dispensei, mas a carga positiva do simbolismo ainda toca...e gostaria de ter assistido ao sarau académico e serenata...ah saudade, tão portuguesa e tão conimbricense...Bónus: Dia do Cortejo dos Quartanistas, em Maio de 1998. Arejando a capa e a pasta com as fitas azuis (desbotadas!), ao lado da Catarina, que está agora na CGD- e eu, que aos 30 parecia ter 22...?
P.S. A consultar também:
Associação Académica de Coimbra
Universidade de Coimbra
Rede de Antigos Estudantes da Universidade de Coimbra

Bom fim de semana :-)

EVADIR-ME, ESQUECER-ME
Evadir-me, esquecer-me, regressar
À frescura das coisas vegetais,
Ao verde flutuante dos pinhais
Percorridos de seivas virginais
E ao grande vento límpido do mar.
Sophia de Mello Breyner Andresen

sexta-feira, 4 de maio de 2007

desabafos...

...usando, emprestadas, palavras imortais dos nossos GRANDES mestres ...
PUDESSE EU
Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Pra poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes
Sophia de Mello Breyner Andresen
***********************************************
Vento que passas, leva-me contigo.
Sou poeira também, folha de outono.
Rês tresmalhada que não quer abrigo
No calor do redil de nenhum dono.
Leva-me, e livre deixa-me cair
No deserto de todas as lembranças,
Onde eu possa dormir
Como no limbo dormem as crianças.
Miguel Torga

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Todo o mundo é composto de mudança...

...já escrevia Camões no século XVI e canta ainda o Zé Mário Branco...às vezes um bom pontapé de saída vem a calhar...porque nos empurra pra frente! Acho que preciso mesmo disso! Alguém me arranja um trampolim :-)? Fica o tributo ao perspicaz e inspirado António...
António Variações - Humanos -
Muda de Vida (fonte: Sic Noticias)

terça-feira, 1 de maio de 2007

1.º de Maio

Hoje rendo a minha humilde homenagem a tod@s @s que realmente (!) trabalham e muito trabalharam em prol deste país e da humanidade em geral. Como não posso dissertar :-) dou a palavra a quem pode e sabe muito bem fazê-lo: http://www.historiasesabores.blogspot.com/ na primeira pessoa :-)

União Europeia

União Europeia
Mapa
SE NAS DIVERSAS ÁREAS TODOS ACTUASSEM COM O EMPENHO, ESFORÇO, DEDICAÇÃO, ENTUSIASMO, COMPANHEIRISMO E ESPÍRITO DE EQUIPA QUE A SELECÇÃO NACIONAL DE FUTEBOL TEVE, EM 2004, O PAÍS ESTARIA MUITO MELHOR!

SlideShow* 25 de Abril*Grândola*Zeca*

HINO DA LIBERDADE CONQUISTADA - música e voz de José Afonso

*Tanto Mar*Homenagem de Chico Buarque*

LISBOA, 25 DE ABRIL DE 1974. O BRASIL AINDA SOB ALÇADA DA DITADURA.

Bela operação de charme...

José Sócrates e George Bush - White House

José Sócrates e George Bush - White House
Washington DC, 17th September 2007

Hummm...será que não o confundiu com Durão Barroso?

Mr Bush espero que saiba ao menos onde fica Portugal...

RIR É O MELHOR REMÉDIO! É sempre bom rever os "Fedorentos" :-)

Loading...

Não esquecer que...

Não esquecer que...
..e HÁ LUGAR PARA TO@S!

Zeca ao Vivo no Coliseu (Lisboa, 1983) cantando Coimbra

O TALENTO E HUMILDADE DE UMA PESSOA LINDA. GÉNIO DA ARTE E GRANDE LUTADOR PELA DEMOCRACIA. UM GRANDE PORTUGUÊS DE SEMPRE QUE DEIXA MUITAS SAUDADES

Amizade e Comunicação: o melhor antídoto para a solidão :-)

Gabriel o Pensador - Tás a Ver? ...a vida é feita de pequenos nadas...!

OS MEUS MÚSICOS DO MUNDO LUSÓFONO E LATINO-AMERICANO

  • Adriana Calcanhoto
  • Amália Rodrigues (sempre!)
  • Ana Moura
  • André Sardet
  • Bebo e (Diego) Cigala
  • Brigada Victor Jara
  • Caetano Veloso
  • Carlos Nuñez
  • Carlos Paredes (sempre!)
  • Carlos Santana
  • Cesária Évora
  • Chico Buarque
  • Compay Segundo
  • Cátia Guerreiro
  • Daniela Mercury
  • Dulce Pontes
  • Elba Ramalho
  • Fausto
  • Gabriel o Pensador
  • Gal Costa
  • Glória Estefan
  • Jorge Palma
  • José Afonso (sempre!)
  • Luís Represas
  • Madredeus
  • Mafalda Arnauth
  • Maria Bethânia
  • Maria João e Mário Laginha
  • Marisa
  • Marisa Monte
  • Martinho da Vila
  • Mayra Andrade
  • Nancy Vieira
  • Nelly Furtado
  • Ney Mato Grosso
  • Nuno Guerreiro e Ala dos Namorados
  • Né Ladeiras
  • Pablo Milanés
  • Paco de Lucía
  • Paulo de Carvalho
  • Pedro Jóia
  • Pixinguinha (sempre!)
  • Quadrilha
  • Rio Grande
  • Rita Lee
  • Rodrigo Leão
  • Rosário (flamenca:-)
  • Rui Veloso
  • Sara Tavares
  • Shakira
  • Simone
  • Sérgio Godinho
  • Tito Paris
  • Todas as boas vozes e guitarras do fado de Coimbra
  • Tom Jobim com Vinícius (sempre!)
  • Trovante (sempre!)
  • Vanessa da Mata
  • Vicente Amigo
  • Victor Jara (sempre!)
  • Xutos e Pontapés

Músicas que vou ouvindo

Elis Regina e Tom Jobim- Águas de Março Gravação em Los Angeles, 1974

MUSICAIS

  • Jesus Christ Superstar (só em CD, fantástico e sublime!)
  • Dancer in the dark (triste mas belo)
  • My fair lady
  • O Fantasma da Ópera- GOSTAVA DE VER NA BRODWAY :-)
  • A Ópera do Malandro - genial Chico Buarque

Alguns dos belíssimos temas do musical de Andrew Lloyd Webber

..."The Phantom of the Opera"
THINK OF ME - Emmy Rossum
http://www.youtube.com/watch?v=pXDonUxBxig

Down Once More/Track Down This Murderer Part 2
...ou redenção pela compaixão e pelo amor...
http://www.youtube.com/watch?v=qlMF1XGmLsI

Excertos de outra ópera, com cheirinho tropical :-)

Eles só mudaram de look de facto... há muitos por aí à solta, mais ou menos disfarçados!!! ;-) já cantava o Chico Buarque nos anos 70 do século passado (!)
e, agora mais recentemente, na sua "Homenagem ao malandro"





eu chamo-lhes os meus "Anjos na Terra" :-)

OS MAIORES AMIG@S têm um lugar que resiste ao tempo e à distância :-)

orkut glitter graphics
Glitter Graphics nem sempre no pensamento, mas sempre na memória dos afectos! Saudades boas :)))

OBRIGADA

OBRIGADA
...PELA VISITA! VOLTE SEMPRE :-)